Brasil Fogo

Depósito químico da mineradora Imerys explode e pega fogo em Barcarena no Pará

De acordo com o MAB, moradores do bairro Vila do Conde inalaram fumaça tóxica e relatam dificuldade para respirar

10/12/2021 12h52
Por: Redação
Depósito químico da mineradora Imerys explode e pega fogo em Barcarena no Pará

Uma explosão seguida de incêndio aconteceu na noite de segunda-feira (6) em um depósito de produtos químicos da mineradora multinacional Imerys, no bairro Vila do Conde, na cidade de Barcarena, no Pará. Nessa unidade da empresa estaria armazenado hidrossulfito de sódio, um produto químico de coloração branca acinzentada com um cheiro característico de dióxido de enxofre. Uma fumaça branca com esse odor tomou conta da cidade na madrugada de terça-feira (7), como registraram os moradores em vídeos divulgados nas redes sociais. De acordo com nota divulgada pela Prefeitura de Barcarena, sob gestão de Renato Ogawa (PL), uma equipe do Samu e duas ambulâncias foram deslocadas para a região. “Foram realizados cerca de 49 atendimentos, com sintomas leves a moderados, de desconforto respiratório”, informa. Ainda de acordo com a gestão municipal, a Secretaria de Meio Ambiente de Barcarena notificou a Imerys para que apresente a Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos (FISPQ), o plano de contingência da empresa e o laudo da qualidade do ar. Em posicionamento na sua conta do Twitter o governador do Pará, Helder Barbalho (MDB), disse estar em contato com a Prefeitura de Barcarena para oferecer ajuda e “tomar as devidas providências”. :: Sai garimpo, fica o mercúrio: saiba quais as consequências para o meio ambiente no Rio Madeira :: Desde a manhã desta terça-feira (7), integrantes do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) se deslocaram para a região com o intuito de prestar apoio organizativo e solidariedade às famílias. Iury Paulino, da coordenação nacional do MAB e morador de Belém (PA) conta que os relatos dos moradores é de “dificuldade para respirar, problemas na boca, nos olhos e na pele”. Para Paulino, o momento é de incertezas pois não há, por parte da mineradora, qualquer informação sobre as consequências à saúde da exposição à fumaça desses produtos químicos. “É mais um fato triste que demonstra o desrespeito da implantação dos grandes projetos na Amazônia. Sobretudo falando daquela região, que é vítima constante dos vazamentos na hidro”, avalia o coordenador do MAB. “São comunidades que já vivem constantemente prejudicadas pelo avanço dessas empresas, dos projetos de construção de terminais portuários e da prática irresponsável do ponto de vista dos cuidados e da segurança que essas empresas conduzem em suas ações”, afirma Iury Paulino. :: Acidentes, câncer e contaminação radioativa: o custo da energia nuclear no Brasil :: Uma diligência com deputados estaduais do Pará, acompanhados de representantes da Ordem dos Advogados do Brasil e de movimentos sociais será feita no local na próxima quinta-feira (9). O objetivo da visita da comissão é avaliar a extensão dos impactos do acidente para a população e o meio ambiente, bem como indicar medidas necessárias de proteção e assistência às pessoas impactadas. Em nota, a Imerys confirmou o foco de incêndio em um dos galpões da planta de beneficiamento da empresa e informou que "a ocorrência foi controlada ainda na mesma noite". A mineradora disse que, de fato, o hidrossulfito de sódio "pode provocar irritação temporária do aparelho respiratório caso seja inalado". A empresa anunciou que "as investigações estão em curso com a participação das autoridades locais, sem riscos detectados de novos focos de incêndio". Antecedentes A Imerys faz extração e beneficiamento dos minérios de carbonatos de cálcio, caulim e perlita. Presente no Brasil desde 1996, a multinacional francesa está nos estados do Pará, São Paulo e Espírito Santo. A localização em Barcarena é estratégica para a exportação de minérios já que ali foi construído o Porto de Vila do Conde, o maior do Pará. De acordo com o MAB, esse é o décimo acidente incidente envolvendo a Imerys nos últimos 25 anos. O Mapa de Conflitos da Fiocruz aponta que em junho de 2007 houve um vazamento de mais de 200 mil metros cúbicos de caulim. O produto atingiu a bacia do Rio das Cobras, as praias e poços artesianos de moradores da Vila do Conde. Além disso, o risco de rompimento de uma barragem de rejeitos da mineradora obrigou, segundo relatório da Fiocruz, que 73 pessoas fossem retiradas de suas casas. Em março de 2008, novo vazamento da bacia de rejeitos agravou a contaminação das águas da região. Os rejeitos da mineração de caulim contêm alta concentração de metais como ferro, alumínio, zinco e cádmio.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Feira de Santana - BA
Atualizado às 14h27 - Fonte: Climatempo
30°
Pancada de chuva

Mín. 18° Máx. 30°

29° Sensação
20.8 km/h Vento
35.8% Umidade do ar
67% (18mm) Chance de chuva
Amanhã (28/01)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 19° Máx. 30°

Sol com muitas nuvens e chuva
Sábado (29/01)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 18° Máx. 31°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Mais lidas
Ele1 - Criar site de notícias